segunda-feira, 16 de março de 2015

Mamãe trabalha em casa!!! Parte 2

Como falei no outro post, nem sempre trabalhar em casa é o sonho das mamães, há vários aspectos que não agradam todas.

É preciso disciplina, o que nem sempre é fácil tendo crianças. E nem sempre a culpa é das crianças, em casa você tem acesso a inúmeras formas de distração. É fácil perder o foco.

Você fica mais tempo sozinha. Se você sai de casa para trabalhar, meio impossível não ter contato social. Quando você trabalha em casa, o seu contato social se limita a quem convive com você. Diferente das mães que acabam optando por não trabalhar, você não pode dar uma pausa, ir na pracinha levar seu filho e conversar com outras mães e por aí vai. Só se você tiver um emprego ou atividade econômica que te dê essa liberdade de horário.

Nem todo mundo valoriza o trabalho em casa. Do mesmo jeito que a mãe que não trabalha tem que aguentar piadinhas, quando você trabalha em casa também. O Brasil tem uma cultura que diz que se você não trabalha fora, você não trabalha. Mesmo na minha área, TI, querer trabalhar em casa é visto como coisa de quem não quer trabalhar, coisa de preguiçoso, coisa de vagabundo. Absurdo, mas é a nossa realidade.

Com certeza existem outras coisas negativas, mas eu prefiro ver as positivas.

Tento ser o mais disciplinada possível, isso as vezes significa abrir mão da flexibilidade de horário. Prefiro ter hora e dia para trabalhar.

Tenho uma personalidade mais fechada, não me importo tanto ter somente a companhia das minhas garotas, mas tento todo dias depois do expediente dar uma volta na praça e ver "gente" rsrsrsrs

De qualquer forma, prefiro estar com minhas meninas sempre. Nada me entristece mais do que a possibilidade de saber que algo importante aconteceu com minhas meninas e eu ficar sabendo por "terceiros". Eu quero estar presente o máximo possível nos "primeiros momentos", depois elas crescem e irão viver a vida delas e não quero ficar triste pensando como pude perder n situações.


É isso aí!!

Bjos!

sexta-feira, 6 de março de 2015

Mamãe trabalha em casa!!!! O começo!

Faz alguns dias que estou tentando arranjar tempo para escrever no blog, mas percebi que... ou eu paro e escrevo ou vou ficar eternamente procurando tempo rsrsrsrs pq não é fácil não!!!

Bom, o caso é!! Eu trabalho em casa!! Sonho de toda mãe né??? Nem sempre.....

E nem sempre esse foi meu desejo. Quando me tornei mãe eu não tinha um emprego registrado, logo, quando fui ganhar a bebê perdi o emprego. Ai havia a opção de ou trabalhar ou estudar, opções dadas pela minha sogra na época. Fui lá eu fazer um curso técnico, antes ainda de a bebê nascer, porém não era muito a minha cara e como eu já era técnica acabei não levando adiante. Antes de eu decidir o que fazer, perdemos minha sogra e aí esquece, só tinha eu pra cuidar da minha bebê, da casa (morávamos com ela), do meu cunhadinho (10 anos na época), da avó do meu ex, da roupa, da comida etc etc etc trabalhar e estudar deixou de ser uma opção.

Passou o tempo, as coisas de ajeitaram, um concurso que eu tinha feito antes de saber q estava grávida me chamaram e lá fui eu. A bebê já não era mais bebê, já ia pra escola e fui. Enquanto isso engravidei, tive a segunda bebê e depois de um tempo, tendo a opção de não trabalhar, vi que não compensava trabalhar, principalmente que ficaria longe pra onde eu iria me mudar e enfim, decidimos que o melhor era eu ficar em casa.

Nesse tempo em que trabalhei, minha irmã mais nova é que era minha babá, e diga-se de passagem, era A babá e creio q isso elevou meu nível de exigência depois rsrsrs

Bom, voltei a estudar, fui fazer faculdade, mudar de profissão de novo e as coisas foram acontecendo e eu me divorciei. Aí eu TINHA que trabalhar. E fui.... por um tempo, pequeno, as coisas deram certo, depois não. Quem cuidava das minhas meninas começou a avacalhar, coloquei em escolinha particular, também não deu certo. Tentei várias coisas, nada me agradava. E tinha outro problema......

Eu morava no ABC Paulista e trabalhava na Zona Norte de SP. Eu demorava em torno de 1h20min, 1h30min pra ir e mais esse tanto pra voltar. Sei que muitas vão dizer, nooooooooooosssa!, mas não, para a distância até que estava bom. Só que piorou.... o trem piorou, o metrô piorou e comecei a fazer esse mesmo percurso em 2h45min, ou seja, sai de casa as 05h30 e chegava atrasada as 08h15. E eu fui estressando.... estressando....

Minhas filhas não eram cuidadas como eu queria, a casa não era cuidada como eu queria, 5-6 horas de condução todos os dias, tudo começou a irritar demais. Pedi zilhões de vezes para trabalhar home office, afinal, sou programadora web, não preciso estar fisicamente no cliente coisa q raramente fazia, então pq não podia!?!??! Afinal, quando precisava fazer hora extra podia.....

Mas tem um problema no Brasil, quando você quer trabalhar de casa, você é visto como vagabundo e ainda com criança? Nunca que ia dar certo....

Nisso engravidei, nisso perdi, nisso surtei, nisso pedi as contas.....

Um mês e meio depois, minha então ex chefa me liga e me propõe: Vc trabalha de casa e vamos ver se rola. Rolou. E hoje já tem quase dois anos que trabalho em casa.

Continua.....

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

E a bebê está ficando dentucinha!!! :D

aeeeeeee os dentinhos se empolgaram pra sair!! eeeeeee

#sqn tão aeeee assim rsrsrs

Junto com o nascimento do dentinho, veio um cocô molinho e zilhões de trocas de fraldas por dia e mesmo assim, uma assadura chatinha de curar :(

Também veio um mal humor da bebê que está sem paciência!!! Dorme mal, acorda mal e fica carentinha o dia inteiro

E o dentinho? Pelo menos a gengiva dela fica clarinha clarinha, então é legal que dá pra acompanhar exatamente onde ele está, já vejo o dento porém ele ainda não rasgou a gengiva. É provável que seja mais um dia de mimo maior pra bebê rsrsrs

Por enquanto é isso! Passei correndinho só pra atualizar rsrsrs

Bjos

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

E mais um dentinho!!!!! :D

Aeeeee!! Mais um dentinho!!!! :D

E o mais engraçadinho é que ela faz biquinho de beijo!!! Ownnnnnnnn

Vamos lá, tentar lembrar exatamente como foi a dentição das três!!

Sabe quando falam que cada gestação é única, cada bebê é único? A gente nunca acredita, mas é por ai sim!!

Com minha primeira filha eu não tive problemas, por mais que eu tente me lembrar, nada. Não teve alterações durante a noite (ela acordava um monte de qq jeito, mas do que ela acordava, só ficando sem dormir!), não teve diarréias (também pudera, só foi firmar o cocozinho depois de dois anos .....) mas realmente não teve alterações de humor.

Quando os dentinhos dela começaram a nascer, a família passava por um grande baque, então se ela mudou o humor não foi sentido. Todo mundo estava pra baixo. E de qualquer forma sempre ouvi da minha mãe que os bebês tinham fase e sempre passei por essas fases tranquila sabendo que ia passar. Então eu realmente não me lembro. Mas não precisei fazer uso de chazinhos, remédios nem pomadinhas. Nada. Também não teve alterações de apetite. Sorte. Muita Sorte. :D

Com a segunda bebê foi um pouquinho diferente.... Não teve alterações no padrão de sono, apetite, febre nem diarréias, porém ficava um dia mais xoxinha e eu fazia uso da pomadinha nenedent.

Agora, dizem que a terceira veio para bagunçar o coreto rsrsrsrsrsrs também não é para tanto. Na verdade o padrão de sono não alterou, mas cocozinho verde de deixar a mãe ressabiada teve. Apetite então.... foram 3 meses querendo somente o peito. E aja peito!!!!! Não sei dizer, e acho q nem um pediatra saberia ao certo, se a falta de apetite se deu somente por conta dos dentinhos ou se tem alguma coisa a ver com o padrão de desenvolvimento do bebê, só sei que me deixou de cabelo em pé!!! E tem as alterações de humor.... ok ok, ela é um bebê dramático, mas teve uns chorinhos do nada, sentidos de dar dó.... usei a pomadinha que se é boa ou não eu não sei, só sei que acalmou minha bebê e eu fiquei mais tranquila.

Bom, por enquanto é só

bjos e até a próxima!






sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Exaustão no Paraíso!!!

Amo ser mãe. Amo. Amo e amo mais e mais...

Mas... além das flores existem os espinhos.

Juro que olho minhas pequenas e tenho saudades do tempo em que meu único problema era acordar de madrugada para trocar fralda ou dar de mamar.

As crianças crescem e as necessidades mudam, aumentam. Pra fazer as crianças feliz não basta só deixar de barriguinha cheia e fralda sequinha.

Além disso o trabalho, afinal, não somos só mães. Coitadas das minhas filhas: elas não dão tanto trabalho assim, são sossegadas, calmas. Mas ai vc tem casa pra limpar, trabalho pra entregar, marido, família enfim....

Hoje é um dia assim, particularmente exaustivo. Parei pra vir aqui pra ver se dou uma relaxada na mente. Você tem três chamando mãe, mãe, mãe, mãe, mãe, mãe e mais mãe rsrsrs mas também um serviço super exaustivo mentalmente. Não sei se quem tem o privilégio de ser mãe em tempo integral consegue ficar menos cansada. Só sei q hoje está difícil.

Bom, hoje o post vai ser curtinho, a mente não tá afim de trabalhar não rsrsrs vou ali tomar um café enquanto trabalho pra ver se pego no tranco!!! Ainda bem q expediente está acabando e aí posso dar atenção exclusiva para as minhas pequenas.

E com vcs? Como fica essa parte do cansaço!!

Bjos!

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Nossa! Como seu bebê é pequeno!!

Olha eu aqui de novo!!!!

Nossa! Como seu bebê é pequeno!! Só quem já ouviu isso sabe a aflição que é!!!

Ok, ok. Sabemos que altura e até peso tem fatores genéticos, mas mesmo assim teimamos em achar que nossos bebês só estão bem e saudáveis se estão no dito "peso e altura normal". Nem adianta a tal da curva de crescimento estar linda se ela não está lá no meinho, na linha verdinha!!

Minha primeira bebê já nasceu pequenina, com 47cm e 2770gr já estava abaixo da média nacional. E com o passar dos meses esse quadro não mudou. Lógico que bate a preocupação, mas ela desenvolvia normalmente, alcançou todos os marcos de desenvolvimento na época certa. Depois você faz exames e todos dão ok e você volta o olhar para sua família que tem várias baixinhas e vai ficando sossegada.

Até o sossego vir.... você descobre por exemplo que a média nacional é o bebê nascer com 3500gr. E com seis meses o bebê deve dobrar o peso de nascimento e com um ano triplicar o mesmo, Blz. Só que com um ano um bebê que está na média deverá pesar 10,5kg enquanto o seu 8,31kg. Se a gente pensar em como são pequenos, esses 2,1kg fazem muita diferença! A minha filha estava dentro do normal, chegou com 8,5kg no primeiro aninho, não havia o que se preocupar.

Como nosso convênio era empresarial e mudava bastante também mudava  de pediatra e sempre era a mesma história. Houve uma pediatra que pegou muito no meu pé por causa do peso/altura dela. Porque vejam bem, não sou exatamente baixa, tenho 1,63cm, e sou gorda, então como posso ter uma bebê tão pequenina e magra?? Pediu um monte de exames e todos deram ok. Até que um dia eu precisei trabalhar e era consulta dela e pedi que minha mãe levasse ela na consulta. Minha mãe por sua vez chamou minha irmã para ir junto. Uma com 1,53 e outra com 1,52 super magras finalmente fizeram com que a pediatra se desse por satisfeita com as medidas de minha filha. Como falei, genética conta.

Mas e o povo?? Ah o povo.... como gostam de se achar doutores!!! Simplesmente olham sua filha e se acham especialistas e já começam a falar que está errado, que não pode ser tão baixa e magra e por ai vai. Confesso que por mais que eu saiba que tá tudo ok, sempre me bate uma insegurança, uma "culpa" como se fosse por minha causa, como se eu tivesse feito ou não feito algo. De fato fiz, passei meu DNA para ela :D

Mas também há um outro motivo para eu detestar o falatório. Minha filha! Ela ficar sempre ouvindo que é baixinha como ficaria a auto estima dela? Sorte que as baixinhas da minha família são super resolvidas quanto a isso, e no alto dos seus 1,50m minha filha também se sente orgulhosa da sua altura e já faz piada por ter, por exemplo, de subir no banco do ônibus para conseguir puxar a cordinha rsrsrs

O ideal seria esse povo parar de falar tanto e aceitar as diferenças, mas enquanto isso não acontece só podemos cuidar da melhor maneira de nossos pequenos e ter isso na cabeça, estamos fazendo nosso melhor e não temos como mudar a genética. E sempre cuidar para esse falatório não acabar com a auto estima de nossos pequenos!!!

E um viva aos baixinhos!!!! :D

* Post especial para minha querida Yas!!!! <3

domingo, 11 de janeiro de 2015

Amamentação!!!

Olá!!

Olha eu de novo aqui!!! Enquanto minha pequena descobre as aventuras de brincar embaixo da mesa, resolvi falar o tema que foi o gatilho para a criação desse blog.

O tal do gatilho aconteceu quando eu li um comentário de uma mãe dizendo que a mãe que falava que amamentar era difícil estava mentindo!! Fiquei muito triste quando li isso, acho que foi desnecessário.

Diante disso quis relatar como foi pra mim. Não foi 100%, mas chegou próximo. E nunca tinha falado sobre isso em grupos nem nada justamente por achar que eu não tinha nada a oferecer a esse respeito, mas agora acho que toda experiência é válida e de repente vai que ajuda alguém :D

Quando engravidei tinha somente 18 anos e ser mãe assim tão jovem tem suas vantagens e desvantagens. Acho que minha vantagem foi a segurança inocente que todo adolescente tem que tudo vai dar certo. Outra vantagem que eu tinha é que vim de família grande, então sempre tinha um bebê novo e mesmo sem querer você acaba guardando algumas dicas. Exemplo: uma vez uma prima minha ao dar de mamar comentou que o bico se formava quando o bebê começa mamar e outra prima uma vez ao visitar minha vó deu de mamar ao filho dela que já tinha 3 anos e por ai vai. Mas vamos ao meu relato.

Nenhuma vez durante a gestação da minha primeira filha duvidei de que eu ia conseguir amamentar, na minha santa ingenuidade imaginei que toda mãe amamentava seu filho até o momento que resolvia que era oportuno dar mamadeira com leite em pó e que mamadeira dava cólicas (meu braço que o diga!!! Minhas filhas não tiveram cólicas mas um priminho sim!!). Também achava que amamentação era muito prático, nada de ficar esterelizando zilhões de mamadeiras. E com esse pensamento me tornei mãe.

Minha filha nasceu de uma cesariana as 17h10, fui para o quarto e minha mãe passou a primeira noite comigo. Em algum momento durante a noite me levaram a bebê, ainda dentro das 12h que diziam que eu não podia levantar a cabeça, então minha mãe quem ficou com ela. De manhã buscaram a bebê para trocar fralda e dar banho e depois que trouxeram ela de novo tentei amamentar, coloquei ela no peito e.....

Eu poderia falar que foi um desastre total, mas não seria verdade. Tampouco posso falar que foi um sucesso total rsrsrs Na verdade ela deu umas sugadinhas bem de leve e soltou, talvez seria mais realista falar que ela deu UMA sugadinha!! Comigo não estava nenhuma enfermeira, nenhum médico mas estava minha mãe e isso fez toda a diferença!! Pegou a bebê no colo e viu que a boquinha dela estava branquinha e me mostrou dizendo que era óbvio que a bebê não iria mamar, eles tinham dado leite pra ela mas que eu ficasse sossegada que ao chegar em casa ela iria mamar normal. De fato nem precisei chegar em casa, antes da nossa alta ela já estava mamando melhor. Sair já com a orientação de amamentar sempre que o bebê pedisse e foi assim.

Como falei, não foi 100% pois teve as temidas fissuras. Bom, eu não fazia idéia que podia machucar, mas quando aconteceu imaginei que era assim com todo mundo e depois minha mãe comentou que foi assim com ela também e que logo sarava. E sarou! As fissuras realmente eram doloridas, saiam sangue sim e se grudasse o sutiã então nem se fala, mas a dor era somente na hora da pega. Engraçado que em nenhum momento eu sequer pensei em não amamentar. Talvez o motivo seja que eu estava determinada a fazer dar certo e não deixaria nada atrapalhar. E foi assim tanto a primeira quanto a segunda bebê. A diferença entre as duas é que eu já sabia que o hospital daria leite e que dessa vez passaram uma pomada (bepantol) para ajudar a cicatrizar as fissuras. Outra diferença é que a primeira bebê acordava a cada, no máximo, duas horas durante a noite para mamar e foi assim até desmamar e com a segunda não. Outra diferença foi que a primeira desmamou naturalmente depois dos dois anos enquanto a segunda eu desmamei com mais ou menos 2 anos e 2,3 meses.

Com a terceira foi sim 100%. Tive ela em um hospital que não davam LA, não era anestesia que eu precisava ficar 12 horas deitada e a bebê pegou e sugou bem desde a primeira vez. Aí eu já sabia sobre a pega correta e nem fissuras tive. Com dois meses ela começou a dormir pelo menos 6 horas durante a noite fora dos picos de crescimento.

Depois da segunda filha fiquei surpresa em saber que nem todo mundo conseguia amamentar e isso acontecia por n motivos. E também fiquei revoltada que muitas vezes era culpa dos hospitais que não orientavam corretamente sobre amamentação, isso quando pelo menos orientava (eu mesmo não tive orientação nenhuma, sorte que tive minha mãe comigo)!!! Cheguei ao cúmulo de ver uma enfermeira culpando a mãe do bebê recém-nascido ter perdido peso, falando que ela não estava amamentando corretamente por isso a perda de peso (!?!??!).

Depois disso preciso falar que realmente admiro as mães que mesmo diante de todas as dificuldades conseguem amamentar. Admiração maior demais por uma mãe (amo!) que mesmo depois de a bebê ter mais de 2 meses não desistiu de começar a amamentar e admiração maior ainda que mesmo passando por dificuldades ela nunca falou qualquer coisa negativa sobre as outras mães que amamentam sem problemas e fiquei imensamente triste (até hoje) por não ter ajudado nesse momento.

Admiro também aquelas que resolvem que vão dar mamadeira, seja por qual for o motivo, e encaram de boa as acusações alheias. Cada mãe sabe o que passa dentro de casa e não deveriam nunca serem julgadas.

Como falei, acho que não posso contribuir muito no quesito amamentação, mas vai que tem algo ai no meu texto que te ajude??

Fico por aqui, mesmo porque a bebê já acabou a exploração da mesa e até o próximo post!!!!

Bjos